Oração, trabalho e cultivo da virtude

                        “Não é trabalho digno de tal nome o do mau; porque a malícia do trabalhador o contamina. Não é oração aceitável a do ocioso, porque a ociosidade a dessagra.”

 

Rui Barbosa

 

 

                        Conversamos durante esta semana sobre o fato de que há algumas coisas em nossas vidas que podemos mudar, e há outras que não podemos, e que somente o contato com Deus pode nos capacitar para discernir entre um tipo e outro.

 

                        Para mudar as que podemos, salientamos três recursos fundamentais: a oração, o trabalho e o tema de nossa breve conversa de hoje, o cultivo da virtude.  

 

                        De acordo com O Evangelho Segundo o Espiritismo, a virtude é, “em seu mais alto grau, o conjunto de todas as qualidades essenciais que constituem o homem de bem. Ser bom, caritativo, laborioso, sóbrio, modesto, são qualidades do homem virtuoso.”  

 

                        E ainda nos é feito o seguinte alerta:

 

                        “Afastai, porém, de vossos corações tudo o que seja orgulho, vaidade, amor-próprio, que sempre desadornam as mais belas qualidades. (…) mais vale pouca virtude com modéstia, do que muita com orgulho.”               

 

                        Quando buscamos a virtude, quando agimos como verdadeiros cristãos, então as nossas orações são “aceitáveis” e o nosso trabalho é dignificado, abrindo caminho para que diversos obstáculos sejam superados, mesmo aqueles que são aparentemente invencíveis, como os que nos acompanham desde o berço.

 

                        Encerramos aqui mais esta conversa fraterna. Espero que essas palavras possam trazer encorajamento a todos nós, conscientes de que oração, trabalho e virtude são fundamentais para o sucesso na tarefa sublime de nosso aprimoramento, no nosso trabalho de co-criação de nós mesmos. Somente haverá vitória verdadeira nos campos de nossas vidas em que obedecermos a Deus.   

 

 

                        Caso deseje fazer o download gratuito da obra completa “Oração aos Moços”, por favor clique  aqui (Cortesia Casa Rui Barbosa). E o download gratuito do “Evangelho Segundo o Espiritismo” pode ser feito clicando-se aqui.

 

                        Até a semana que vem! Abraços fraternos!

 

                        Euzébia

 

                        www.euzebianoleto.com.br    euzebia@euzebianoleto.com.br

 

*

 

Série completa “Superando dificuldades”

 

***

 

Para receber as atualizações deste blog em seu e-mail, por favor clique aqui.

Anúncios

Os três recursos basilares

Quais seriam as chaves para superar as dificuldades que nos acompanham desde o nascimento?

 

 

                        Há muitas qualidades a serem cultivadas para que superemos dificuldades, como, por exemplo, a força de vontade e a perseverança. Mas há três recursos fundamentais, sem os quais não há como atingir nossos objetivos de forma segura, honesta e cristã.

 

                        Sobre dois desses recursos, compartilho com você este trecho da “Oração aos Moços”, de Rui Barbosa, obra publicada em 1920 que contém ensinamentos portadores de uma sabedoria atemporal:   

 

                        “Mas, se a sociedade não pode igualar os que a natureza criou desiguais, cada um, nos limites da sua energia moral, pode reagir sobre as desigualdades nativas, pela educação, atividade e perseverança. Tal a missão do trabalho.

 

                        Os portentos de que esta força é capaz, ninguém os calcula. Suas vitórias na reconstituição da criatura mal dotada só se comparam às da oração.

 

                        Oração e trabalho são os recursos mais poderosos na criação moral do homem. A oração é o íntimo sublimar-se d’alma pelo contacto com Deus. O trabalho é o inteirar, o desenvolver, o apurar das energias do corpo e do espírito, mediante a ação contínua de cada um sobre si mesmo e sobre o mundo onde labutamos.

 

                        O indivíduo que trabalha acerca-se continuamente do autor de todas as coisas, tomando na sua obra uma parte, de que depende também a dele. O Criador começa, e a criatura acaba a criação de si própria.

 

                        Quem quer, pois, que trabalhe, está em oração ao Senhor. Oração pelos atos, ela emparelha com a oração pelo culto. Nem pode ser que uma ande verdadeiramente sem a outra. (…) mas, quando o trabalho se junta à oração, e a oração com o trabalho, a segunda criação do homem, a criação do homem pelo homem, semelha às vezes, em maravilhas, à criação do homem pelo Divino Criador.

 

                        Ninguém desanime, pois, de que o berço não lhe fosse generoso, ninguém se creia malfadado, por lhe minguarem de nascença haveres e qualidades. Em tudo isso não há surpresas, que se não possam esperar da tenacidade e santidade no trabalho.”  

 

(Oração aos Moços, Rui Barbosa, Edições Casa de Rui Barbosa, 1999. Grifo nosso)

 

                        Caso deseje fazer o download gratuito da obra completa “Oração aos Moços”, por favor clique  aqui (Cortesia Casa Rui Barbosa).

 

                        Como pudemos conferir, a oração e o trabalho são as forças propulsoras de progressos inimagináveis, sem as quais nada se pode conseguir de duradouro. O terceiro recurso fundamental para superarmos dificuldades será o tema da nossa conversa de amanhã.

É possível superar as dificuldades que nos acompanham desde o nascimento?

“Mas, se a sociedade não pode igualar os que a natureza criou desiguais, cada um, nos limites da sua energia moral, pode reagir sobre as desigualdades nativas (…).

 

Ninguém desanime, pois, de que o berço lhe não fosse generoso, ninguém se creia malfadado por lhe minguarem de nascença haveres e qualidades.”

 

Rui Barbosa

 

 

 

                        Através dos ensinamentos de luz da Doutrina Espírita Cristã, aprendemos que grande parte de nossas dificuldades propiciam resgate e aprendizado, normalmente constituindo elementos da Misericórdia Divina para a construção do nosso melhoramento.

 

                        Com isso em mente, sabemos que não devemos nos revoltar contra as condições que nos acompanham desde o nascimento. Porém, ausência de revolta não deve ser confundida com comodismo.

 

                        Podemos e devemos tentar mudar o que está ao nosso alcance, para melhorar nossa situação. Peçamos a Deus que nos auxilie a identificar o que pode ser mudado em nossas vidas por nossa própria ação. Há uma oração muito conhecida que diz:

 

                        “Senhor, dai-me forças para mudar o que deve ser mudado; resignação para aceitar o que não pode ser mudado; e discernimento para saber o que pode e o que não pode ser mudado”.

 

                        Tendo identificado quais as coisas que podemos mudar, é hora de partir para a ação.

 

                        Amanhã conversaremos um pouco mais sobre esse tema, a respeito dos principais recursos de que dispomos para melhorarmos nossas vidas.  

 

Reflexões sobre o universo feminino

(Que os nossos leitores do sexo masculino não se sintam excluídos desta conversa sobre o universo da mulher. Fiquem à vontade para dialogar conosco e repassar informações que porventura considerem relevantes às mulheres de suas vidas, sejam companheiras, filhas, amigas, etc. Aproveitem para conversar com elas sobre a responsabilidade espiritual de homens e mulheres. Obrigada a todos pela visita!)

 

O ponto de partida

 

                         “E aconteceu que, indo eles de caminho, entrou numa aldeia; e certa mulher, por nome Marta, o recebeu em sua casa;Marta, Maria e Jesus

 

                         E tinha esta uma irmã chamada Maria, a qual, assentando-se também aos pés de Jesus, ouvia a sua palavra.

 

                        Marta, porém, andava distraída em muitos serviços, e, aproximando-se, disse: Senhor, não se te dá de que minha irmã me deixe servir só? Dize-lhe, pois, que me ajude.

 

                        E, respondendo Jesus, disse-lhe: Marta, Marta, estás ansiosa e afadigada com muitas coisas,

 

                        Mas só uma é necessária; e Maria escolheu a boa parte, a qual não lhe será tirada”.

 

Lucas, 10: 38 – 42

 

 

                        A passagem bíblica acima transcrita é de importância singular para as mulheres que desejam compreender qual o caminho a seguir, a fim de se aproveitar a presente existência da melhor forma possível.

 

                        Nesse trecho, Jesus ensina que o universo feminino é repleto de atividades que terminam por distrair as mulheres do que é mais importante. Isso não significa que essas atividades não sejam relevantes, mas sim que a mulher sábia deve realizar seu trabalho no lar e fora dele, seus estudos, seus cuidados com a família e consigo mesma, sem esquecer que a sua prioridade é a busca pelo crescimento espiritual.

 

                        Essa busca pelo crescimento espiritual não é algo que exija um isolamento do mundo para ser realizada; pelo contrário, o desenvolvimento efetivo da espiritualidade é algo que faz parte do quotidiano, inserido no contexto das atividades diárias. 

 

                        Conversaremos, então, a partir de agora, sobre alguns relevantes pontos de reflexão para a mulher que busca o exercício da espiritualidade no dia-a-dia, que é “a boa parte, a qual não lhe será tirada”.

 

                        (Por favor clique aqui para ler este artigo na íntegra)