Nunca desista

 

“Quem te injuria e escarnece,

Na frase agressiva, azeda,

Em si sofre a labareda

Que verte do próprio mal.

Toda cólera é doença.

Aquele que se enraivece

Solicita o pão e a prece

Do socorro fraternal. ”

 

Irene Ferreira de Sousa Pinto*

 

                        O parente difícil furta-lhe a paz.

 

                        O chefe rude não lhe propicia o ambiente tranqüilo necessário ao trabalho.

 

                        O colega lhe constrange e aborrece sistematicamente.

 

           

                        Não desista de amá-los.

 

 

                        Através do amor fraternal, perdoamos e compreendemos os outros, a fim de obtermos perdão e compreensão para nós mesmos.

 

                        Quem saberá o que há no íntimo deles, de que enfermidades padecem no corpo e na alma, qual a carga que carregam?

 

                        Não desista da luta de amor e fé. É uma luta não contra os outros, mas contra o mal que há em nós: contra o anseio pelo revide, pela vingança, contra o orgulho que impede o perdão.

 

                        No momento difícil, tenha paciência. Suas mais poderosas armas são o silêncio e a prece.

 

                        Nunca desista de ninguém, pois todas as pessoas em nosso caminho lá estão por algum motivo, sinalizando que temos junto a elas tarefas a cumprir.

 

 

                        Paz e luz!

 

                        Até breve, se Deus permitir,

 

                        A Equipe do blog Espiritismo no Cotidiano

 

 

* Da obra “Antologia dos Imortais”, psicografada por Chico Xavier e Waldo Vieira. Editora FEB – Federação Espírita Brasileira.

Anúncios