Reerguer-se

orquidea-reerguimento

No decorrer da caminhada evolutiva, é natural que ocorram quedas, períodos cheios de erros, culpa, preguiça, rancor, desânimo, desesperança.

Assim que identificamos essas fases menos proveitosas de nossas vidas, devemos com urgência buscar o nosso reerguimento. É tentador permanecer no esmorecimento, na tristeza, já que reerguer-nos exige trabalho.

Fujamos dessa tentação e movimentemo-nos em direção a uma vida nova de alegria e esperança, com o auxílio das seguintes ferramentas:

– fé;

– oração;

– trabalho;

– estudo;

– autoperdão;

– perdão para os outros;

– mudança de hábitos;

– mudança de pensamentos.

Cada manhã nos traz uma oportunidade valiosa de começar de novo e fazer tudo diferente. Dediquemo-nos a essa tarefa com fé e otimismo, e deixaremos de nos considerar vítimas do mundo e nos tornaremos agentes transformadores dele.

“Lamentavelmente porém, expressiva maioria de indivíduos somente acalenta idéias negativas, lucubra pessimismo, agasalha mal-estares. Como resultado, enfraquecem-se-lhes as resistências morais, debilitam-se-lhes os valores espirituais e alimentam-se da própria insânia.

Há determinadas provações que são inevitáveis, por procederem de desmandos de outras existências. Podem, entretanto, através de construções mentais e humanas edificantes, serem alteradas, atenuadas e até liberadas, pois que atos saudáveis granjeiam mérito para superar aqueles que são danosos.

Não te atenhas aos atavismos infelizes, revivendo-os, comentando-os, reestruturando-os nos campos mental e verbal. Eles não te abandonarão, enquanto não os deixes.

Queixas-te de insucessos, dissabores, enfermidades, desamor; e, no entanto, aferras-te a eles de tal forma que perdes o senso de avaliação da realidade, rotulando-te como infeliz e estacionando aí, sem qualquer esforço de renovação.

Afirma a sabedoria popular com propriedade: Pedra que rola não cria limo, sugerindo alteração de rota, movimento, realização.

Esforça-te para desconsiderar as ocorrências desagradáveis, perturbadoras.”

(Joanna de Angelis, psicografia de Divaldo Franco)

Muita paz e até breve,

A Equipe do blog Espiritismo no Cotidiano

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s