Alívio da ansiedade

Source of this image: Wikimedia Commons (Rinjani Volcano)

“Se o homem nascesse para andar ansioso, seria dizer que veio ao mundo, não na categoria de trabalhador em tarefa santificante, mas por desesperado sem remissão.
(…)
A ansiedade tentará violentar corações generosos, porque as estradas terrenas desdobram muitos ângulos obscuros e problemas de solução difícil; entretanto, não nos esqueçamos da receita de Pedro.
Lança as inquietudes sobre as tuas esperanças em Nosso Pai Celestial, porque o Divino Amor cogita do bem-estar de todos nós.
Justo é desejar, firmemente, a vitória da luz, buscar a paz com perseverança, disciplinar-se para a união com os planos superiores, insistir por sintonizar-se com as esferas mais altas. Não olvides, porém, que a ansiedade precede sempre a ação de cair”.
Emmanuel

Segundo o Minidicionário Sacconi de Língua Portuguesa, ansiedade significa “inquietação ou dor do espírito causada por impaciência ou incerteza; agonia, aflição” (grifo nosso). A ansiedade, tema sobre o qual conversaremos brevemente hoje, é um estado mental tão pernicioso que imediatamente repercute sobre o corpo, acarretando uma série de sintomas físicos.

Ao sermos acometidos por crises de ansiedade, devemos indagar qual a sua origem. Normalmente advêm de incertezas quanto ao futuro, geradas algum ato que praticamos no passado, fazendo-nos carregar um fardo, mais ou menos pesado, de remorso e culpa. Quando for esse o caso, lembremo-nos da valiosa lição de Maria Dolores (trecho de mensagem psicografada por Chico Xavier):

“Da própria queda no erro,
Levanta-te e segue à frente,
Servindo incessantemente,
Tudo podes refazer;


Não te detenhas na angústia,
Ante o mal, prossegue e olvida,
As próprias nódoas da vida
A vida pede esquecer.”

E da lição de luz de Joanna de Ângelis (em obra psicografada por Divaldo Franco):

“Há determinadas provações que são inevitáveis, por procederem de desmandos de outras existências. Podem, entretanto, através de construções mentais e humanas edificantes, ser alteradas, atenuadas e até liberadas, pois que atos saudáveis granjeiam mérito para superar aqueles que são danosos.”

Podemos depreender desses ensinamentos que a saída para o tormentoso estado de ansiedade é o trabalho. Se a crise advém de remorso e culpa, trabalhemos no bem para que possamos reparar o mal que tenhamos feito. Se o caso for de dúvidas quanto a questões sobre as quais nada podemos fazer, recordemos o que nos diz André Luiz (em obra psicografada por Chico Xavier):

“Não se aflija por antecipação, porquanto é possível que a vida resolva o seu problema, ainda hoje, sem qualquer esforço de sua parte.
(…)
Antes das suas dificuldades de agora, você já faceou inúmeras outras e já se livrou de todas elas, com o auxílio invisível de Deus.”

amanha-sera-um-novo-diaAssim, podemos verificar que a fórmula simples, fé + trabalho, é altamente eficaz para o alívio de nossas ansiedades. Manter mente e mãos ocupadas e crer na misericórdia e no perdão do Altíssimo constituem remédios ao alcance de todos, e nos permitem seguir em frente com saúde, mesmo em tempos de crise.

É importante (e urgente, dada a situação do mundo nos dias atuais) que reflitamos sobre a inquietação e, assim que a constatarmos em nossa paisagem mental, trabalhemos para eliminá-la o mais breve possível, antes que se torne um estado patológico, quando somente poderá ser tratada com o auxílio de profissionais de saúde.

Outras conversas nossas sobre esse tema:

“Por maior que lhe seja o fardo do sofrimento, lembre-se de que Deus, que aguentou com você ontem, aguentará também hoje.”
André Luiz

Muita paz, muita calma e até breve,

Euzébia Noleto

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Anúncios

Em dias de repouso

image-by-caspian-blue-on-wikimedia-commons-440px-tabby_cat_lying_on_the_grass-dichohecho-01“Aprende a fazer silêncio íntimo e conviver contigo próprio.
Propõe-te espaço mental para o exame das tuas necessidades, reflexão sobre a existência, equilíbrio de valores íntimos.
(…)
Abstém-te das coisas que sobrecarregam o corpo e distraem o espírito, preocupando-te em preservar e aprimorar somente aquilo que é realmente necessário.
Buscando a paz, em dias de repouso, esquece máquinas e complexidades da vida moderna, rádio e televisão, periódicos e noticiários a fim de defrontares-te contigo mesmo.
Não te cerques de pessoas bulhentas, aquelas que ‘enchem a casa’ com suas fanfarronices, parecendo alegres e joviais, mas que estão se escondendo no alarido que promovem, porque se não querem encontrar.”
Joanna de Angelis
(da obra “Otimismo”, psicografada por Divaldo Pereira Franco e publicada pela Livraria Espírita Alvorada)

Bom descanso!

Paz e luz e até breve, se Deus quiser,

Euzébia Noleto

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Imagem por Caspian Blue

Elimine o que não serve

Fonte da imagem: Wikimedia Commons (imagem no domínio público)Quando somos aconselhados a eliminar tudo aquilo que não nos serve, pensamos logo em gavetas desarrumadas ou na despensa desorganizada. Embora a organização de nossas casas e locais de trabalho seja imperiosa para uma vida com qualidade, não é apenas nisso que devemos trabalhar para eliminar o desnecessário.

Se estudarmos bem nossa situação, poderemos encontrar vários pontos onde eliminar o que é inútil é uma tarefa imprescindível e inadiável.

Para nada (de bom) servem…

– intermináveis horas de uso indiscriminado do computador;
– horas e horas a fio perdidas em frente à televisão;
– alimentação exagerada e prejudicial à saúde;
– atitudes que desrespeitam as leis, ainda que “pequenas” e que “ninguém fique sabendo”;
– palavrões;
– pensamentos de inveja, rancor, ódio e vingança;
– superstições;
– lembranças de momentos menos felizes;
– curiosidade e comentários sobre a vida alheia;
– maus hábitos;
– conversações fúteis;
– preguiça e má-vontade;
– ócio etc.

Se nos lembrarmos sempre de que aquilo que não serve para o bem, automaticamente serve para o mal, saberemos analisar melhor o que deve ser eliminado de nossas vidas. A análise deve depender somente de nossa consciência, e não da opinião dos outros, que muitas vezes não nos compreenderão. Então, basta partir para o passo mais importante: a ação de eliminar o que inútil para que possamos reservar mais espaço e tempo para o que realmente gera frutos.

“Simplifique a vida antes que o carro orgânico, em sua nobre complexidade, se gaste, deixando-o imantado a objetos, paixões e pessoas que o amargurarão demoradamente. Vida simples, espírito livre.”
(Marco Prisco, no Ementário Espírita, psicografado por Divaldo Franco)

Tenham uma semana abençoada!

Muita paz e até breve,

Euzébia Noleto

Receber as atualizações deste blog por e-mailEste blog no Twitter (@alunosdeKardec)

Novas páginas do site

Nesta semana foram implementadas algumas mudanças no site, dentre elas a criação da seguintes páginas:

Temas: uma página dedicada somente à listagem dos assuntos sobre os quais conversamos por aqui (antes estavam na barra lateral), que agora se encontram organizados em ordem alfabética (visitar a página Temas »);

Materiais para estudo individual ou em grupo: página onde serão agrupados todos os roteiros de estudo que publicarmos, começando pelo de ontem. Ela faz parte do sub-menu da página Doutrina Espírita Cristã, bastando passar o mouse para encontrá-la (visitar a página Materiais de Estudo »).

Tenham uma abençoada semana!

Euzébia Noleto

Receber as atualizações deste blog por e-mailEste blog no Twitter

 

O Revolucionário Sincero

Hoje apresentamos uma singela sugestão de estudo, composta por um pequeno trecho da obra “Jesus no Lar”, do espírito Neio Lúcio e psicografada por Chico Xavier (Editora FEB – Federação Espírita Brasileira), acompanhado de questionamentos sugeridos para estimular a discussão após a leitura.

Clique aqui para baixar o roteiro de estudo “O Revolucionário Sincero” »

Clique aqui para conhecer todos os roteiros de estudo publicados aqui no blog »

 

Receber as atualizações deste blog por e-mailEste blog no Twitter 

Obrigada por tudo, Chico!

2 de abril de 2010: Centenário de Chico Xavier

008_chicoxavier

“A revolução em que acredito é aquela ensinada pelo Nosso Senhor Jesus Cristo, que começa pela corrigenda de cada um, na base do façamos aos outros aquilo que desejamos que os outros nos façam.”

Chico Xavier

Imagem: AME.org.br