Ilusões e tentações

“Levanta-te e esforça-te, porque é no sono da alma que se encontram as mais perigosas tentações, através de pesadelos ou fantasias.”
Emmanuel

É muito importante que estudemos e conversemos sobre ilusões e tentações. No mundo conturbado de hoje, esses males parecem nos sugar para uma área de angústias, como um redemoinho de enganos. Muitos chegam a envolver outras pessoas em suas ilusões e fantasias, o que é um grave desrespeito. O tempo desperdiçado com esse mal poderia ser empregado realizando conquistas verdadeiras na seara do Bem.

A boa notícia é que esse é um caminho do qual há volta, mediante grande esforço pessoal. A reforma moral é urgente.

Para auxiliar-nos com diretrizes para nossa reforma íntima, apresentamos hoje o estudo baseado na mensagem “Tentações”, de Joanna de Ângelis, que pode ser lido a seguir ou baixado (.pdf) clicando aqui.

Capítulo 56 da obra “Lampadário Espírita” (Editora FEB), de Joanna de Ângelis, psicografada por Divaldo Franco 

Temas para reflexão encontram-se após o texto.

 

Tentações

 

                   “Alma cansada de lutar e sofrer, carregada e batida pelos ventos tempestuosos da paixão, pára na estrada por onde caminhas aflita, arrima-te, abraçando a árvore da fé, e examina os ouropéis mentirosos que voluteiam em derredor:

                   a sede do ouro doou-te o espinho cruel da ambição desequilibrada;

                   a ânsia de guardar beleza enclausurou-te na estrita cela do receio sem-termo;

                   o desejo da carne amarrou-te à desarmonia da mente, crucificando em madeiro inglório de aflição e dor;

                   a tormenta do orgulho agasalhou em teu coração serpentes venenosas que te espreiam sem cessar;

                   a loucura do poder arrojou-te ao despenhadeiro do crime, iludindo-te com a imagem de altura fictícia;

                   a insanidade dos prazeres, que o comodismo concede, custou-te o preço da saúde e da paz;

                   a incessante busca da glória efêmera, no palco terreno, expôs-te aos dardos da maldade ultriz que ora te ferem e magoam.

 

                   No parque onde brincam a mentira agradável, o ódio sorrateiro, a injúria delicada, a maledicência pertinaz, a hipocrisia sorridente, a vaidade brilhante, também choram a honradez ultrajada, a dignidade ferida, o caráter desrespeitado, o sacrifício humilhado, o dever combatido pelos atores da comédia da ilusão.

                   A alegria ruidosa sacrifica a harmonia das cordas vocais.

                   A bondade muito apregoada, anula-se.

                   Para manutenção da elegância física é necessário o sacrifício de delicados órgãos vitais.

                   A juventude disfarçada num semblante cansado é água pura à tona e estagnada ao fundo, produzindo envenenamento.

                   Só no exemplo do Cordeiro de Deus podes manter a inquebrantável harmonia interna que brilhará em ti, refletida.

                   Ao invés de sucumbires às tentações que espalham espinhos pela senda, retira do madeiro, onde Ele agonizou, a coroa dos testemunhos, põe-na em tua fronte e, embora sofrendo, poderás ser feliz e, carregado de dores, penetrarás no Reino da Alegria Imperecível.

                   Não temas!

 

NOTA – Tema para estudo: L.E. – Parte 4ª – Capítulo I – Felicidade e infelicidade relativas.

             Leitura complementar: E. – Capítulo XVII – O homem no mundo. –  Item 10.”

 

 

Temas para reflexão

 

– Quais das situações refletidas no texto estão presentes em nossas vidas atualmente? 

– Temos alimentado ilusões, tentado parecer o que não somos?

– Temos envolvido outras pessoas em nossas ilusões, o que é um desrespeito?

– Tendo reconhecido nossos erros, o que podemos fazer para nos livrar daquilo que sabemos fazer mal a nós e aos outros?

– Analisemos as preocupações que temos tido ultimamente: alguma delas se refere a coisas fúteis?

– Que medidas são urgentes para a nossa reforma moral (ocupar a mente, etc.)?

 

Peçamos o auxílio de Deus para identificar e eliminar as ilusões que alimentamos, a fim de que não desperdicemos a existência presente com frivolidades. Peçamos também o auxílio divino para identificar tudo aquilo por que vale a pena trabalhar.

 

Vamos orar juntos?

 

Senhor Deus, que sois Todo bondade e Todo misericórdia, em nome de Jesus pedimos o Vosso auxílio, por intermédio dos Bons Espíritos, para que nos livremos das ilusões deste mundo e possamos buscar o que realmente importa para a verdadeira vida. Ajudai-nos, Senhor, na tarefa do auto-aprimoramento, pois sem a Vossa misericórdia nada somos e nada podemos.

 

Que assim seja.

Download deste estudo (.pdf) 

 

Receber as atualizações deste blog por e-mailEste blog no Twitter (@alunosdeKardec)

Anúncios

Dia de bênçãos

004

“Oh! quão doce e consoladora é a certeza de que não há entre nós mais do que um véu material que te oculta às minhas vistas! de que podes estar aqui, ao meu lado, a me ver e ouvir como outrora, senão ainda melhor do que outrora; de que não me esqueces, do mesmo modo que eu te não esqueço; de que os nossos pensamentos constantemente se entreluzam e que o teu sempre me acompanha e ampara.”
O Evangelho Segundo o Espiritismo

Que Jesus ilumine a todas as mães, encarnadas e desencarnadas, e que aqueles que, no dia de hoje, vivem um dia de saudade, possam alegrar-se na esperança de rever a pessoa querida, pois sabemos que a separação provocada pelo desencarne é temporária.

Muita paz e muita luz!

Euzébia Noleto

Prece pelos que já não são da terra:

http://meditando.wordpress.com/2010/01/18/prece-pelos-que-ja-nao-sao-da-terra-4/

Oração por aqueles a quem tivemos afeição:

http://meditando.wordpress.com/2009/09/07/oracao-pelas-pessoas-a-quem-tivemos-afeicao-2/

Imagem: CoolFunnyComments.com

Plantar pouco e colher muito?

“Se insultarmos nossa tarefa com a preguiça, nossa tarefa relegarnos-á à inaptidão”.

Emmanuel

horta1(…) Quando algo não dá certo, normalmente há uma falha nossa. Podemos culpar o que ou a quem quisermos, mas, se procurarmos de verdade, quase sempre encontraremos algo que poderíamos ter feito para evitar o malsucedido.

O que tem ocorrido nos dias atuais é a vontade de plantar pouco e colher muito, acordar mais tarde e ser atendido primeiro, dar um jeitinho na última hora, resolver tudo em um estalar de dedos. É algo tão corriqueiro que acabamos por não perceber que isso é uma falha de caráter. Significa querer subverter as leis da Natureza, o que sabemos não ser possível. E depois, quando as coisas dão errado, culpamos a qualquer um, menos a nós mesmos.

Com sorte, uma ou duas vezes podemos estudar pouco e passar em uma prova, acordar tarde e não ter de enfrentar uma fila, fazer algo de um modo não muito correto e não sofrer sanção alguma por isso, agir com imprudência e escaparmos ilesos. Mas isso não dura para sempre. Mais cedo ou mais tarde teremos de enfrentar as conseqüências de nossos atos.

Se agirmos corretamente, se aproveitarmos o nosso tempo com o que realmente importa, não haverá nada a temer e estaremos sempre livres da sombra do remorso. Mudar velhos hábitos pode ser difícil, mas é extremamente compensador. Bem como traçar metas e, através da disciplina, cumpri-las. Fazer da nossa vida uma existência exitosa e produtiva só depende de nós.

Nunca é tarde para começar.

Tenham uma semana abençoada! Muita paz e até breve,

Euzébia Noleto

Receber as atualizações deste blog por e-mailEste blog no Twitter (@alunosdeKardec)

(Trecho de artigo originalmente publicado em 2008)