Amor sem resultados?

amor

A família – assim como todos os grupos a que pertencemos – é uma instituição divina de ajuste, de resgate. Podemos não saber exatamente a razão de estarmos em meio a determinadas pessoas; porém, a partir dos ensinamentos da Doutrina Espírita Cristã, temos consciência de que temos débitos a pagar uns para com os outros; temos trabalho a fazer com aqueles colocados por Deus ao nosso redor.

É comum que pensemos ou que alguém comente conosco que seus esforços no bem não dão resultado; que, apesar de tratar bem e fazer o melhor pela pessoa difícil em sua vida, ela continua difícil, não apresentando sinal algum de progresso.

Meditemos a esse respeito: é uma impropriedade pensar que o amor não dá resultados. Isso porque o amor não aguarda resultado nem recompensa; quem ama verdadeiramente, o faz sem esperar nada em retribuição, seja o reconhecimento do esforço realizado, seja a melhora comportamental do outro.

O que conta a nosso favor aos olhos do Altíssimo é a qualidade do amor que doamos, a qualidade do bem que fazemos, a nossa persistência no bem, qualquer que seja o quadro. Se os outros recepcionaram ou não o nosso amor, os nossos esforços, se se transformaram ou não mediante os nossos apelos, é fato que foge ao âmbito da nossa responsabilidade; é da responsabilidade deles. Nossa única preocupação deve ser fazer a nossa parte, ter como foco somente o nosso modo de agir, pois é o único que poderemos modificar, e é o único pelo qual prestaremos contas.

Como espíritas, não podemos nos esquecer de que, por mais terríveis que sejam as provas por que passamos, elas são sempre transitórias e jamais imerecidas. Pensar diferentemente seria admitir a existência de um Deus injusto.

Por isso, devemos constantemente repensar nosso modo de agir com o filho rebelde, o marido ou esposa difícil, os parentes de difícil convivência; e que a ideia de desistir de amar seja rapidamente dissipada pela alegria e pelo ânimo renovado advindos da consciência tranquila, de saber que apenas pela nossa parte responderemos, e que, caminhando no bem, avançamos mais segura e rapidamente para o fim de qualquer provação.

Fiquem com Deus e até breve, se Ele quiser,

Euzébia Noleto

Receber as atualizações deste blog por e-mailEste blog no Twitter (@alunosdeKardec)